Skip navigation?
The Library of Congress | Global Gateway
[English] | [Português]

United States and Brazil Home Themes Collections About the Site Partners Site Map Advanced Search

Collections  Interpretive Texts

About The National Library of Brazil
Fundação Biblioteca Nacional

  United States and Brazil Home >> About the Site >> About The National Library of Brazil


The National Library of Brazil traces its origins to the library created by Dom José I, King of Portugal, to replace the Royal Library destroyed in the fire that followed the great Lisbon earthquake of November 1, 1755.

Fleeing from the invading French armies, then prince regent Dom João VI, Queen Maria I, the rest of the royal family, and most of the Portuguese nobility left Lisbon for Brazil in November 1807. They brought with them the Royal Library, which at the time consisted of approximately 60,000 items, including books, manuscripts, prints, maps, coins, and medals.

The National Library was established in Rio de Janeiro on October 29, 1810. Initially, the public was allowed access to the collections only by permission of the prince regent. Special permissions were abolished in 1814 and the institution became a public library.

On November 12, 1822 the imperial government decreed that one copy of all documents produced by government publishers be sent to the Library. This legislation was reinforced by Decree No. 1825, December 20, 1907, which required that one or more copies of all materials published in Brazil be deposited. The National Library continues to receive through copyright deposit legislation all national intellectual production for preservation for future generations.

After Brazil's independence, the Library became the property of the Brazilian Empire under the terms of an additional convention to the Treaty of Peace and Friendship between Brazil and Portugal that was signed on August 29, 1825.

The cornerstone for the Library's building was laid on August 15, 1905 and the building was opened on October 29, 1910. Constructed in an eclectic style with neoclassical elements, the National Library forms, together with the Municipal Theater and the National Fine Arts Museum, the “triangle of culture” in Cinelandia Square in the center of Rio de Janeiro. The Library’s main hall has two murals by the American painter George Biddle and two bronze bas-reliefs by his wife, Helena Sardeau Biddle, presented on December 8, 1942 as gifts from the government of the United States of America to Brazil.

The Library contains the biggest documentary collection in Latin America and is one of the ten largest national libraries in the world. Its holdings of more than 9 million items include books, folders, serials, manuscripts, prints, engravings, maps, scores, charts, records, compact discs, tapes, and videos. Its main collection, as well as various specialized collections, are available to researchers and the academic community.

The National Library offers guided tours of its main building. Visitors can learn about the Library’s history, its architecture, and its collections and services.

The National Library uses the most modern information technology to offer access to its collections and provide services to individuals. Researchers in Brazil and abroad can obtain information about the National Library's collections through its web site,, which also offers a virtual tour of the Library.


The rarest and most valuable collections of the National Library include:

Barbosa Machado Collection. Donated by the renamed bibliophile Barbosa Machado, this collection encompasses 4,300 items, including books, prints, maps, and a precious collection of rare brochures related to Brazilian and Portuguese history.

Conde da Barca Collection or Araujense Collection. This collection was acquired through public auction in 1819, two years after the death of its owner, Antônio de Araújo de Azevedo, "Count of Barca." It encompasses 2,365 items from the seventeenth and eighteenth centuries. Among its most noteworthy items is a set of prints, Le Grand Théâtre de l'Univers, in 125 volumes.

De Angelis Collection. This collection was acquired in 1853 from Pedro Angelis, a politician and bibliophile who was born in Naples and became a naturalized Argentine. It has 3,012 items, including 1,295 manuscripts. The collection includes important documents concerning the history of the Jesuítica Province of Paraguay and the "Region of Prata."

Salvador de Mendonça Collection. This collection was donated by Salvador de Mendonça, Consul of Brazil in New York in 1884. Its 122 items include manuscripts and prints. Some of the most important documents in the collection relate to the Dutch presence in Brazil in the seventeenth century.

José Antônio Marques Collection. Between 1889 and 1890, the National Library obtained from José Antônio Marques a rich collection of 3,920 items, including manuscripts relating to colonial Brazil. Included in the collection are books by Luís de Camões, among them an edition of Os Lusíadas that was published in 1584 and that is considered extremely rare.

Teresa Cristina Maria Collection. Emperor Dom Pedro II donated this collection to the National Library and requested that it be named in honor of the Empress Teresa Cristina Maria. It contains 48,236 items, including magazines, brochures, prints, maps, photographs, scores, and manuscripts. Its holdings depict the evolution of the technology of photography during the nineteenth century. It remains to this day the most significant collection of the National Library.

Wallenstein Collection. This collection was the archive of the Russian diplomat Henri Jules Wallenstein. It encompass some 2,800 documents and is the most important collection for the history, politics, society, and economy of Brazil in the nineteenth century, especially during the Regency period.

Benedito Otoni Collection. This collection belonged to the bibliophile José Carlos Rodrigues. It was purchased by Dr. Júlio Benedito Otoni, who donated it to the National Library in 1911.

Casa dos Contos Archive. This collection contains approximately 50,000 documents and several codices. It encompasses the records of the ancient "Casa dos Contos" in Ouro Preto, and complements two similar collections of records that now are housed in the National Archive and in the Public Archive of Minas Gerais. The collection contains documents relating to the administration of Minas Gerais during the eighteenth and nineteenth centuries, with valuable materials on flags, mining history, illegal commerce in gold and diamonds, and the Minas Conspiracy.

Alexandre Rodrigues Ferreira Collection. This collection features watercolors by Joaquim José Codina and José Joaquim Freire produced for the Brazilian naturalist Alexandre Rodrigues Ferreira. The watercolors relate to Ferreira’s 1783-92 trip, undertaken by command of Maria I, through the captaincies of Grão Pará, Rio Negro, Mato Grosso and Cuiabá.

Library Abraão de Carvalho. In 1953 the National Library acquired through the Federal Government the music library of Abraão de Carvalho. With some 17,000 items, the collection features in scores and books about music, including rare items from the seventeenth and eighteenth centuries.

The most noteworthy manuscript items or collections in the National Library include:

Evangeliario. This parchment copy of the four Gospels in Greek dates from the 11th to the 12th centuries, and is the oldest manuscript in the National Library.

Livro de Horas. This Latin book of hours from the fifteenth century contains thirteen miniatures with views of the Louvre and Montmartre.

Codexes concerning colonial administration. These volumes contain a set of the reports of the governors, captains general and vice-kings in the seventeenth and eighteenth centuries, including correspondence with the court.

Mapa dos confins do Brasil com as terras da coroa de Espanha na América Meridional, 1749. This map was used by the representatives of Portugal and Spain to delimit the domain of the two Iberian Kingdoms in South America under the Treaty of Madrid of 1750. On the back of the maps are notes signed by Viscount Tomás da Silva Teles, Ambassador of Portugal in Madrid and José Carbajal y Alencaster, Minister of Spain.

Musical scores of note include the original scores of four operas by Carlos Gomes: O Guarani, Fosca, Maria Tudor, and Salvador Rosa.

Rare printed works include:

Mogúncia Bible. The National Library has two copies of this two-volume Latin Bible, printed by Johann Fust and Peter Schoeffer in August 1462. The Mogúncia Bible is the first printed book that contains date, place of impression, and name of the printer on the colophon.

Grammatica da Língua Portuguesa com os Mandamentos da Santa Madre Igreja, Lisbon, 1539. This book is the only known copy of a primer that predates the grammar of João de Barros. It is probably the first book in Portuguese with illustrations intended for didactic purposes.

Os Lusíadas, Lisbon, 1572. The National Library has the first edition of the Luís de Camões' epic work.

Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas..., of André João Antonil, Lisbon, 1711. Only six copies of this publication are known to exist. Copies of this work were confiscated by the Portuguese government because they divulged the wealth of Brazil and revealed the route to its recently discovered gold mines.

Relação da entrada que fez o excelentíssimo e reverendíssimo senhor D. Fr. Antonio do Desterro Malheyro, Bispo do Rio de Janeiro em o primeiro dia deste presente anno de 1749. This 1749 brochure is considered the first publication printed in Brazil.

Messiah an oratorio in scores as it was originaly perfor'd de Handel. This first edition of Handel's Messiah was published in London in the mid-eighteenth century.

Il dissoluto punto o sia Don Giovann. This work is a copy of the first edition of Mozart’s famous opera, published in Leipzig in 1801.

Correio Brasiliense. The first Brazilian newspaper, published in London from 1808 to 1822 by Hipólito José da Costa, contested oppression, corruption and ignorance. The paper defended the monarchist-constitutional union of the Luso-Brazilian Empire and only accepted independence in July 1822. It is a valuable source for historical, political, social, economic and literary studies of Brazil in the early nineteenth century.

Prints and drawings in the National Library include: original prints by famous European masters, including Albrecht Dürer, Stefano della Bella, Jacques Callot, Landmark Antonio Raimondi and Manuel Marques Aguiar, as well as original prints by such Brazilian artists as Osvaldo Goeldi, Carlos Oswald, and Iberê Camargo.

The National Library possesses the prints of the Portuguese recorders of the Oficina Tipográfica, Calcográfica e Literária do Arco do Cego in Lisbon as well as many engraved original plates in copper.

Skip navigation?
The Library of Congress | Global Gateway
[English] | [Português]

Brasil e Estados Unidos Início Temas Coleções Sobre o Site Parcerias Mapa do Site Pesquisa Avançada

Coleções  Textos Interpretativos

Fundação Biblioteca Nacional
About The National Library of Brazil

  Brasil e Estados Unidos Início >> Sobre o Site >> Fundação Biblioteca Nacional


A origem da Biblioteca Nacional remonta à Livraria que Dom José I, Rei de Portugal, mandou organizar em substituição à Real Biblioteca, destruída por um incêndio a 1° de novembro de 1755, durante o terremoto de Lisboa.

Em novembro de 1807, o Príncipe Regente Dom João, a Rainha Dona Maria I, toda a família real e grande parte da corte, diante da invasão de Portugal pelas tropas francesas, deixaram Lisboa com destino ao Brasil, trazendo consigo todo o acervo da Livraria Real, com cerca de 60.000 peças, entre livros, manuscritos, estampas, mapas, moedas e medalhas.

Em 29 de outubro de 1810 a Biblioteca Nacional foi estabelecida no Rio de Janeiro. Inicialmente a consulta era permitida apenas a estudiosos, mediante consentimento régio. Somente em 1814 seu acervo foi franqueado ao público em geral.

Em 12 de novembro 1822, o governo imperial determinou que fosse entregue à Biblioteca Imperial e Pública da Corte, nova denominação da Biblioteca Real, um exemplar de todas as obras, folhas periódicas e volantes que se imprimissem na Tipografia Nacional. Essa legislação foi-se aperfeiçoando até o Decreto de Contribuição Legal. Através da Lei do Depósito Legal para materiais impressos estabelecida através do Decreto n.1825 de dezembro de 1907, a Biblioteca Nacional coleta toda a produção intelectual nacional para preservação para gerações futuras.

A família real retornou à Europa em 1821, deixando aqui a Biblioteca, que passou a ser propriedade do Império do Brasil após entendimentos diplomáticos que culminaram na Convenção Adicional ao Tratado de Paz e Amizade, celebrado entre Brasil e Portugal, a 29 de agosto de 1825.

Com um estilo eclético, no qual se misturam elementos neoclássicos e de art nouveau, a Biblioteca Nacional compõe atualmente, com o Museu Nacional de Belas Artes e o Teatro Municipal do Rio de Janeiro, um conjunto arquitetônico e cultural de inestimável valor na Praça da Cinelândia, centro da cidade.

A Biblioteca Nacional oferece visitas guiadas no seu prédio principal. Visitantes podem conhecer a história da Biblioteca, sua arquitetura, suas coleções e serviços. Pesquisadores no Brasil e no exterior podem obter informações e acessar as coleções da Biblioteca Nacional através do seu Web site . Através do site é possível também fazer um tour virtual pela Biblioteca.


Entre as coleções incorporadas ao acervo da Biblioteca Nacional devem ser mencionadas pelo seu valor histórico e preciosidades as seguintes, entre muitas outras:

Coleção Barbosa Machado - Doada pelo ilustre bibliófilo, formada de 4.300 obras em 5.764 volumes. Além de livros, possui estampas e mapas. Barbosa Machado reuniu preciosa coleção de folhetos raros relacionados com a História do Brasil e de Portugal e, reduzindo-os a um só formato para constituir uma coleção de 85 volumes doou-os, como o resto de sua biblioteca e com outras coleções factícias, à Real Biblioteca da Ajuda.

Coleção Conde da Barca ou Coleção Araujense - Adquirida em leilão em 1819, dois anos após a morte de seu proprietário, Antônio de Araújo de Azevedo, Conde da Barca. É constituída de 2.365 obras em 6.329 volumes, em sua maior parte dos séculos XVIII e XVII. Pertence a essa coleção o conjunto de estampas Le Grand Théâtre de Univers, reunido em 125 grandes volumes.

Coleção De Angelis - Adquirida em 1853 a Pedro de Angelis, político e bibliófilo napolitano, naturalizado argentino. Possui 1.717 obras em 2.747 volumes e 1.295 manuscritos. É do maior interesse para a história da Província Jesuítica do Paraguai e das questões de limites na região do Prata.

Coleção Salvador de Mendonça - Doada por Salvador de Mendonça, cônsul do Brasil em Nova York, em 1884. Constituem-na 122 obras em 215 volumes, sete manuscritos e numerosas estampas. Destaca-se, no conjunto, o material referente ao Domínio Holandês no Brasil, peças da maior raridade, impressas no século XVII.

Coleção José Antônio Marques - Entre 1889 e 1890, a Biblioteca Nacional recebeu de João Antônio Marques uma opulenta coleção formada de 3.920 obras em 6.309 volumes e alguns manuscritos relativos ao Brasil Colônia. Incluem-se na coleção 323 volumes de edições camonianas, entre as quais a edição de Os Lusíadas, de 1584, chamada «dos piscos», considerada raríssima.

Coleção Teresa Cristina Maria - Doada em 1891 pelo ex-Imperador D. Pedro II com o desejo expresso de que conservasse o nome da Imperatriz. É composta de 48.236 volumes encadernados e inúmeras brochuras, sem contar folhetos avulsos, fascículos de várias revistas literárias e científicas, estampas, fotografias, partituras musicais e mais de mil mapas geográficos impressos e manuscritos. Dão cunho especial a essa importante coleção, a maior recebida pela biblioteca em todos os tempos, as numerosas dedicatórias autografadas dos autores ao Imperador e à Imperatriz.

Coleção Wallenstein - Constituía o arquivo do diplomata russo Henri Jules Wallenstein. Com 2.800 documentos, constitui um acervo da maior importância para a história política, social e econômica do Brasil no século XIX, sobretudo para o período da Regência.

Coleção Benedito Otoni - Pertenceu ao colecionador e bibliófilo José Carlos Rodrigues. Por ocasião de sua venda pública, foi adquirida pelo Dr. Júlio Benedito Otoni, que a doou integralmente à Biblioteca Nacional, em 1911.

Arquivo da Casa dos Contos - Com cerca de 50.000 documentos e muitos códices, a coleção é proveniente da antiga Casa dos Contos de Ouro Preto e se completa com duas outras da mesma procedência que se encontram, uma no Arquivo Nacional e outra no Arquivo Público de Minas Gerais. Compreende documentos da administração de Minas nos séculos XVIII e XIX, com precioso material para o estudo da história da mineração, quintos, contrabando de ouro e diamantes, bandeiras e da Inconfidência Mineira.

Coleção Alexandre Rodrigues Ferreira - Documentação fartamente ilustrada com desenhos aquarelados de Joaquim José Codina e José Joaquim Freire, produzida pelo naturalista brasileiro Alexandre Rodrigues Ferreira relativa à viagem que empreendeu, por ordem de D. Maria I, pelas Capitanias do Grão Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá, entre 1783 e 1792.

Biblioteca Abraão de Carvalho - Em 1953 recebeu a Divisão de Música e Arquivo Sonoro a biblioteca musical de Abraão de Carvalho adquirida pelo Governo Federal e composta de 17.000 peças. A coleção é rica em partituras e obras sobre música, algumas raras dos séculos XVII e XVIII.

Dentro do acervo precioso da Fundação Biblioteca Nacional merecem especial destaque:


Evangeliario, século XI-XII - Exemplar em pergaminho com textos, em grego, dos quatro evangelhos. Letra semi-uncial. É o mais antigo manuscrito da Biblioteca Nacional.

Livro de Horas, século XV - Em latim. Letra gótica. Pergaminho. Iniciais decoradas a ouro e cores. Contém treze miniaturas de página inteira e quatro menores, algumas com vistas do Louvre e de Montmartre. Encadernação do século XVI, em couro, com motivos geométricos ornamentando as duas capas. Calendário em francês.

Códices sobre administração colonial - Conjunto de atos dos governadores e capitães-gerais e dos vice-reis, incluindo correspondência com a Corte.

Mapa dos confins do Brasil com as terras da coroa de Espanha na América Meridional (1749) - Desse mapa se serviram os representantes de Portugal e Espanha para a delimitação dos domínios dos dois reinos ibéricos na América do Sul, pelo Tratado de Madrid de 1750. Traz no verso nota explicativa assinada pelo Visconde Tomás da Silva Teles, Embaixador de Portugal em Madrid, e por José Carbajal y Alencaster, Ministro da Espanha.

Partituras originais das óperas de Carlos Gomes: O Guarani, Fosca, Maria Tudor, Salvador Rosa.


Bíblia de Mogúncia (Bíblia Latina), Johann Fust e Peter Schoeffer, «in vigília assumpcõis gl’ose virginis Marie», 14 de agosto de 1462, 2v. A Biblioteca Nacional possui dois exemplares. A Bíblia de Mogúncia é o primeiro impresso que contém data, lugar de impressão e nome do impressor no colofão. Pergaminho, com letras capitais feitas a mão com tinta azul e vermelha.

Grammatica da Língua Portuguesa com os Mandamentos da Santa Madre Igreja.
Lisboa, 1539. Trata-se da cartilha que precede a Gramática propriamente dita de João de Barros. É provavelmente o primeiro livro com ilustrações de caráter didático, em xilogravuras. Esse exemplar da «Cartinha» é exemplar único no mundo.

Os Lusíadas, de Luís de Camões, Lisboa, 1572. Com a data de 1572 existem duas edições de Os Lusíadas. Numa delas o 7.º verso da primeira estância do Canto I é «Entre gente remota edificaram», em outra, considerada realmente a primeira, o verso é «E entre gente remota edificaram». A Biblioteca Nacional possui a edição chamada Edição E e, ou seja a primeira das duas de 1572.

Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas..., de André João Antonil. Lisboa 1711. Conhecem-se apenas seis exemplares dessa obra, apreendida pelo Governo Português, porque divulgava riquezas do Brasil e o caminho para as minas de ouro recém-descobertas.

Relação da entrada que fez o excelentíssimo e reverendíssimo senhor D. Fr.Antonio do Desterro Malheyro, Bispo do Rio de Janeiro em o primeiro dia deste presente anno de 1749... Folheto de autoria de Luís Antônio Rosado da Cunha, considerado a primeira obra impressa no Brasil. (Rio de Janeiro, na Segunda Officina de Antonio Isidoro da Fonseca, Anno de MDCCXLVII). Embora o início da imprensa no Brasil date, oficialmente, de 1808, este documento prova que tal atividade já havia sido exercida anteriormente.

Messiah an oratorio in scores as it was originally perfo'd de Handel - Exemplar da primeira edição do Messias, de Haendel, publicada em Londres em meados do século XVIII.

Il dissoluto punto o sia Don Giovann, de Mozart - Exemplar da primeira edição da famosa ópera publicada em Leipzig, em 1801.

Correio Brasiliense, Primeiro jornal brasileiro. Publicado em Londres de 1808 a 1822 por Hipólito José da Costa. Defendia a união monárquico-constitucional do Império Luso-Brasileiro, só aderindo à Independência em julho de 1822. Combatia a opressão, a corrupção e a ignorância. É uma fonte para estudos históricos, políticos, sociais econômicos e literários.

Estampas e Desenhos Originais:

Estampas originais de famosos mestres das escolas européias, destacando-se, entre muitos, Albrecht Dürer, Stefano della Bella, Jacques Callot, Marco Antonio Raimondi e Manuel Marques Aguiar. Estampas originais de artistas brasileiros, como: Osvaldo Goeldi, Carlos Oswald, Iberê Camargo e outros.

Estampas dos gravadores portugueses da Oficina Tipográfica, Calcográfica e Literária do Arco do Cego, de Lisboa. A FBN possui muitas das chapas originais em cobre.